domingo, 23 de setembro de 2012

(2012/695) Do "Deus plataforma de embarque"


1. Para meu interesse aqui, divido o mundo teológico-religioso em dois grupos: a) os que acreditam mesmo que, quando falam em Deus, estão falando "dele", de Deus e b) os que sabem que, quando falam de "Deus", estão, na verdade, apenas usando um código de linguagem para falar de si mesmos, de seus sonhos, utopias, valores. Veja: estou falando de religiosos e teólogos - não estou falando nem de agnósticos (céticos) nem de ateus.

2. Deixo um dos grupos de lado e pego, para analisar, o outro - o grupo que sabe que, quando está falando de "Deus" está, na verdade, falando de si mesmo, de seus sonhos e medos - ou seja, aquele grupo que, mesmo sem confessar, é feuerbachiano até a próstata e o útero.

3. "Deus" aí me parece uma "plataforma de embarque". As pessoas desse grupo "encontram-se" nessa plataforma. É preciso que cada um deles, para encontrar-se com o "outro", precise estar ele mesmo nessa plataforma, bem como que o outro igualmente se ponha de pé sobre o chão de cimento teológico.

4. A palavra "Deus" e o que ela significa parece uma "senha", um teletransportador, uma plataforma de trem - só se pode encontrar os outros com a senha, o teletransportador, o trem. Você "entra" no trem, parado na plataforma, e, então, o outro passa a existir. Mas, se você não entra no trem, se o outro não entra, nem você nem ele existem...

5. O que dá ocasião ao encontro não é a carne e o sangue, a cara e a vida de um e de outro - mas essa "senha". Você sai de si, vai até a plataforma, materializa-se lá, espera que o outro vá para lá com você e, então, tanto você quanto o outro passam a existir, e se encontram, e se emocionam.

6. Mas se você não vai, se o outro não vai, se um dos dois não vai, não há encontro, não há vida...

7. São, ambos, feuerbachianos, mas não levaram a sério o fato de o ser. Sabem que se trata de projeção, mas a descoberta da projeção vale tanto quanto a sua não descoberta. Não aprenderam nada.

8. O primeiro grupo, porque acha que quando fala em "Deus", é de Deus mesmo que se trata, esse não aceita por um segundo sequer a tese de "Deus" como projeção, de modo que é compreensível que "Deus" - que para ele é Deus - seja o vínculo de existência da vida e dos encontros humanos nela. 

9. Mas o grupo dois sabe que se trata de projeção - e todavia, é como se não soubesse, porque, se sabe, qual a razão para ainda pôr, entre si e o outro, essa tela amarelada e velha, essa necessidade antiga, essa distância fingida proximidade, essa alienação dos olhos, esse disfarce do outro?

10. E, depois de tudo, ainda se considera a mística algo epistemologicamente distinto da fé dogmática...





OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget